isto não é uma Margarida, 1984

Em 1984 fiz os primeiros retratos marcado pela influência Dadaísta - Surrealista. Man Ray e Marcel Duchamp eram as minhas principais referências artísticas numa altura em que a manipulação da imagem passava, quase em exclusivo, pelo recorte e colagem da imagem. A Dama Dada e mais tarde a Daisy Dada foram ensaios fotográficos e plásticos realizados nos finais dos anos 80 e início dos anos 90 (nunca publicados) a génese de La Femme - surrèaliste,  trabalho (re)começado em 2012.

Luís Barreira Dama Dada, isto não é uma Margarida, 1984 Fotografia Gelatin-Silver Print

Luís Barreira

Dama Dada,

isto não é uma Margarida, 1984

Fotografia

Gelatin-Silver Print

Os novos instrumentos colocados à disposição da fotografia digital são agora assumidos distanciando o real do imaginário poético. Neste sentido, La Femme - surrèaliste aparece como um novo projecto fotográfico e plástico.

Luís Barreira Mémoire d'une femme, 2015 série: La Femme - surrèaliste Fotografia digital

Luís Barreira

Mémoire d'une femme, 2015

série: La Femme - surrèaliste

Fotografia digital